da filosofia à ficção, retratando a realidade
comentar
publicado por santissimatrindade, em 20.08.08 às 00:04link do post | favorito

 

Arrotando pensamentos absurdos

Rastejando pela moita vejo um castor a bater uma punheta á chuva, entro no café ensopado á procura de sopa, tão insossa e angelical. No invólucro de uma lata, os pregos fazem sentinela e os parafusos fila para entrar. Na porta o rabequeiro escarra notas semiprateadas num chão de pó. És simplesmente feia!
O senhor dos aflitos e suas beatas fedorentas não param de me atormentar, as lápides do meu jazigo, estão prestes a rebentar de fúria. Serei cego ou tu eutanásia?
Sem paráfrase nem figura de estilo. Caramelos de fruta fritos em óleo são dissolvidos em cadáveres azedos e obras póstumas. Oiço sinos sob a cadeira de um barbeiro, ali, onde jazem punhados de cabelo outrora meu. Quem me faz um charro agora que tudo arde?
Há uma faísca azul que ao aproximar-se do vermelho, ilumina os corpetes e cintas de liga coloridas que animam aquela hora, as janelas de um bordel…e eu só queria uma sopa.
Um quarto para sair dele e descer á recepção, só pelo prazer de ver o escano reflectir a luz e o calor da lareira, só pelo prazer de cheirar as mantas esponjosas e sarnentas onde se aninham ninhadas de pulgas sobre tapetes rosa choque, comprados nos trezentos.
Depois do trabalho, alguns ainda permanecem no café, para adiar por alguns momentos, o regresso inevitável ao tédio conjugal, e sonhar que estão num bordel de quinta com adolescentes carentes e prontas a ser desfloradas em troca de algumas futilidades.

Texto e ilustração by jusis 2008.

 


mais sobre mim
Agosto 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
12
13
14
15
16

17
19
21
22
23

24
25
26
27
29
30

31


pesquisar no santissima
 
blogs SAPO